Juramento Da Guilda Dos Sapateiros De Palis

(De pé, no meio do círculo formado pelos Companheiros, o aprendiz recita)

Por Sara, nossa mãe, e pela minha honra de sapateiro, diante do testemunho dos irmãos, solenemente juro:
manterei os segredos da profissão, não os revelando aos leigos;

somente os ensinarei, se tiver a honra de um dia chegar a ser Mestre, a aprendizes vinculados por juramento;

serei diligente e buscarei a perfeição;

farei os meus sapatos com todo meu engenho e arte, sejam as sandálias de um príncipe, sejam os tamancos do pobre;

cobrarei preço justo, que não avilte a profissão nem lese o freguês;

honrarei minha mestra, como se minha mãe fosse;

socorrerei meus companheiros na dificuldade;

não me valerei dos tropeços de um companheiro para tomar-lhe um freguês;

manterei o segredo deste juramento, que fielmente cumprirei, até o fim dos meus dias.

Diante de vós, mestres, irmãos agora, juro com fé.

A ti, mestra, dedico esta humilde peça, minha obra-prima, que, com tua aprovação, me fará Companheiro.

(O aprendiz se ajoelha e calça os sapatos que fez nos pés do seu mestre. Este dá alguns passos com eles e diz: "São uma merda. Bem-vendo à confraria dos cagões!". Os Companheiros todos agarram o aprendiz e lhe dão uma surra; depois saem todos para beber e comemorar.)

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License